Escrivinhando... - Graciliano Tolentino
A FELICIDADE só é PLENA quando é COMPARTILHADA!!!
Capa Meu Diário Textos E-books Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
PSIQUIATRIA BRASILEIRA TRANSFORMADA EM UM LABORATÓRIO NAZISTA

- Crônica do dia 13-05-2020 -

Esse tipo de chacota por parte de quem quer que seja, supera o nível da racionalidade e simplesmente demonstra mais do que desconhecimento, estampa uma maldade terrível por parte de quem é o autor de um même desse tipo.

O tratamento psiquiátrico no Brasil ainda é um dos mais atrasados do mundo, porque pensa o paciente não como um SER HUMANO detentor de direitos que, simplesmente, está adoecido, e sim como um problema para a sociedade que precisa ser anulado, não tratado.

Bolsonaro pode até ser classificado como um “doente mental” ou qualquer coisa que valha, não apenas ele como seus seguidores de uma forma geral, afinal, não é normal um ser humano destilar tanto ódio a ponto de se tornar um ser tão abominável como ele.

Bolsonaro é um dos caras que mais ajudou a TRANSFORMAR A PSIQUIATRIA BRASILEIRA EM UM LABORATÓRIO NAZISTA, ou regredir a essa condição. É alguém sem sensibilidade nenhuma com o trato a seres humanos, talvez porque espelhe o tratamento que o próprio recebeu e conheceu durante toda sua vida e o entenda como certo, o que não dá o direito a ninguém de REPLICAR SEUS ERROS COM O INTUITO DE COMBATÊ-LOS.

Essa cena de pessoas presas em uma camisa de força e nitidamente dopadas, sendo forçadas a fazerem suas necessidades na própria roupa, a comer pelas mãos de outras pessoas, sem direito à vontade ou a expressar sentimentos, sem poder se tocar, se coçar, movimentar seus membros superiores e tendo todas as suas queixas relegadas à condição de “DELÍRIOS” NUNCA PODERÁ SER TEMA LEGÍTIMO PARA UMA PIADA.

Essa imagem demonstra o fracasso do sistema de saúde mental, gerado por pessoas mal qualificadas ou negligentes com o próximo, pela falta de estrutura dos serviços de saúde que preferem “ANULAR” as pessoas doentes ao invés de trata-las, tornar o doente um verdadeiro “ANIMAL DÓCIL E DOMESTICADO” que não importuna ninguém e que permite que a sociedade capitalista e cruel, caso não seja redundância, continue seu “desenvolvimento glorioso”.

Pouca gente sabe, porque a maioria, simplesmente, não quer saber, que as pessoas com saúde mental comprometidas são vítimas de traumas horríveis causados por uma sociedade que desrespeita os sentimentos das pessoas, suas fraquezas inerentes à condição humana, e sua própria condição humana, por fim.

Muitas dessas pessoas, por não passarem pelo devido tratamento, afundam-se a cada dia mais em suas dores, em suas tristezas e em seu silêncio e isolamento. Por que? Porque simplesmente é mais cômodo para as pessoas ao redor dopá-las e esquecê-las, esquecendo em si o fato de que SÃO SERES HUMANOS, e o pior, que são entes queridos!

Esse tipo de tratamento, se fosse dado a um animalzinho de estimação, seria matéria de jornal, de revista e da imprensa em geral com vários comentários indignados e reações mil desaprovando o comportamento daquele que é responsável por seus cuidados.

O que estarrece é o fato de que a foto de seres humanos forçados a viver nesta condição vil seja motivo para piadas e risos, ao invés de ser motivo de angústia e de tristeza. É DESTA ESQUERDA QUE NÃO PRECISAMOS! É ESTA ESQUERDA QUE MERECE PERMANECER FORA, pois são semelhantes ou piores que o próprio Bolsonaro.

Gostaria de pedir que pessoas que pensam de forma a achar isso engraçado, que reflitam sobre sua maneira de pensar e passem a entender a sociedade como um lugar pra todos os humanos e que o próprio adoece e é dever da sociedade tratar de seus doentes, não relega-los ao esquecimento porque estão, boa parte, momentaneamente impedidos de gerar lucros para a máquina capitalista.

Digo, momentaneamente, porque, com o devido tratamento, as pessoas podem se recuperar e voltar para suas atividades e viverem uma vida, de fato, feliz, ou ao menos, digna. E ser útil para o capital pura e simplesmente, não pode servir de baliza para se determinar se alguém pode ser tratado como humano ou não-humano.

Quem posta mêmes deste tipo presta um verdadeiro desserviço para o movimento e para a sociedade como um todo. A saúde mental precisa funcionar em torno dos interesses do paciente, não em torno da sociedade cruel e despreparada para lidar com esse tipo de circunstância natural na vida.

NÃO É ENGRAÇADO, NEM UM POUCO, ESTAR PRESO EM UMA CAMISA DE FORÇA, FAZENDO NECESSIDADES NAS ROUPAS, BABANDO DE TANTA DROGA QUE LHE FOI MINISTRADA À FORÇA, IMPEDIDO DE COÇAR O PRÓPRIO ROSTO OU COMER COM AS PRÓPRIAS MÃOS.

Repensem as piadas. Seres humanos merecem respeito, não esse tipo de tortura e humilhação e ainda por cima com seus rostos expostos. O doente no Brasil é punido por ter adoecido, humilhado e taxado por fraco por não suportar as dores que o sistema lhe causa. Afinal, é mais fácil do que aplicar os ensinamentos de HIPÓCRATES, o pai da medicina, que deixou bem claro que “AO SE TRATAR A DOENÇA, OS SINTOMAS DESAPARECEM”.

Numa situação deplorável de camisa de força, não se vê o trato à doença, se vê sua alimentação, deixando-a mais forte e transformando um ser humano em um brinquedo, em uma cobaia de experimentos malignos, em um instrumento para que sejam materializadas todas as maldades possíveis e imagináveis.

Essas pessoas são submetidas a eletrochoques, que é um tratamento ultrapassado e ilegal, sofrem espancamentos, maus-tratos e até mesmo estupros quotidianamente e suas reclamações aos familiares e outras pessoas são vistas e entendidas como meros “DELÍRIOS”, afinal, homens de bem jamais fariam coisas como essas!

Essa é a imagem do nosso fracasso como seres humanos, como filhos de Deus, como profissionais, como qualquer coisa, essa cena é a mostra final do fracasso definitivo da sociedade e jamais deveria ser motivo para risos, e sim, para lágrimas!

Graciliano Tolentino
Graciliano Tolentino
Enviado por Graciliano Tolentino em 13/05/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários