Textos


NOITE DE CINCO DIAS...

- Crônica do dia 14-11-2019 -

Madrugada do dia 23 de março de 2013. 120 policiais armados com fuzis de mira a laser e metralhadoras, dois helicópteros com atiradores de elite, Força Nacional, Polícia Militar, Polícia Civil do Estado de Alagoas, dois Delegados na operação. Motivação? Um CAVALO PURO SANGUE.

Dois mil e doze foi ano de eleições municipais. Eu estava no quarto período de Direito na Faculdade Sete de Setembro em Paulo Afonso, Bahia. Aluno Bolsista, militante do movimento quilombola, sem uma passagem sequer pela polícia. Nunca cometi um crime.

Um grupo de jovens sonhadores resolve lutar contra a corrupção em sua cidade. Mais de 30 milhões de reais desviados em um município que tinha por orçamento anual de apenas 26. Dossiê construído das licitações fraudulentas. Encaminhado para o Ministério Público do Estado. O Delegado Federal que recebeu a denúncia, com pesar nítido na face lamenta:

- Eu já sei pra quem é que vai isso. Mas, infelizmente não podemos fazer nada, só o que posso fazer é protocolar.

Resultado, gasto exacerbado nas eleições. Compra de votos e desmandos, espancamentos, brigas, ameaças, bombas, tiros na janela no período da campanha. Perseguições, constante tentativa de sequestros relâmpagos e torturas.

Perdemos as eleições. Ano seguinte:

3 horas da manhã de uma quinta-feira, cumprimento irregular de mandado de prisão. Minha casa é invadida com minha namorada ainda nua. A casa é revistada e só o que se encontrou foi apenas livros.

PRESO POR CINCO DIAS, SEM INQUÉRITO, SEM INVESTIGAÇÃO, SEM PROVAS, SEM INDÍCIOS, SEM UM BASEADO SEQUER EM QUALQUER BURACO DA MINHA CASA. Xérox do meu mandado de prisão espalhadas pela cidade inteira com o seguinte dizer:
GRACILIANO TOLENTINO (CABELUDO) – TRAFICANTE DA RUA SANTO ANTÔNIO.
CRIMES: ROUBO A BANCO, TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS, FORMAÇÃO DE QUADRILHA E PORTE DE ARMA.

Puro sensacionalismo para destruir minha imagem política.

Imprensa carniceira e desqualificada fotografando os companheiros de luta CONTRA A CORRUPÇÃO que foram forçados a tirarem a camisa pra não apanharem com um pedaço de ripa sob ameaça constante do Delegado substituto que mais parecia um dono de boteco do que um homem da lei.

46 horas sem tomar banho, o juiz não estava de plantão.

Tentaram me matar dentro da cela com um pau no meio da madrugada. Consegui repelir a agressão e amarrar o agressor com um cinto de couro e um cordão de sacola de loja onde estava a marmita do companheiro de cela que foi torturado das 06 horas da manhã até as 11 horas, quando os porcos da carceragem pararam pra almoçar.

O lugar mais próximo pra protocolar um habeas corpus era há 140 quilômetros dali numa cidade chamada Santana do Ipanema. E me foi negado papel e caneta por um PM negro, que ao ouvir meu pedido gritou:

- Você está preso!

Eu respondi:

- Por isso mesmo que eu preciso de um Habeas Corpus!

- Você está em prisão preventiva!

Eu retruquei:

- Prisão Temporária!

- É a mesma coisa!

Quanta ignorância... Esse é o cumpridor da lei... Retruquei de novo:

- Prisão preventiva deve atender os pré-requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal, Prisão temporária tem o prazo de 05 dias prorrogáveis por uma única vez e tem outra finalidade.

Ele me mandou apenas TOMAR NO CU. Argumento “muitíssimo elaborado”.

Passo cinco dias enjaulado. No primeiro dia tive de cagar em sacola plástica sem papel pra me limpar. Comi e dormi no mesmo lugar onde passavam ratos. Paredes mofadas até o teto. Celas úmidas e nojentas, uma verdadeira masmorra.

Depois de 2 dias consegui tomar banho debaixo de uma torneira de água gelada que ficava no banheiro de uma das celas, acocorado.

A comida? Bem... A COMIDA!

Por algum motivo quem tinha de levar comida pra gente era nossa própria família, sabe-se lá o que é que o Delegado Titular fazia com o dinheiro da boia. Ele? VIVIA NA COZINHA DO PREFEITO QUE DENUNCIAMOS, E CORRIA VAQUEJADA COM OS FILHOS DELE. GANHOU UM PURO SANGUE DE PRESENTE.

O que eu fiz? HABEAS CORPUS PRA TODO MUNDO QUE PEDIU! DIVIDI MINHA COMIDA E MEU CIGARRO. FIZ AMIGOS LÁ DENTRO. PESSOAS QUE SONHAVAM COM O DIA DA LIBERDADE PRA REVER A MÃE, O FILHO e a MULHER.

Enquanto na classe média meus amigos de faculdade davam em cima das minhas namoradas, ali dentro só o que foi destinado a ela foi respeito.

Eu não cometi nenhum crime, pelo contrário, denunciei o crime dos outros. Estudava Engenharia Civil na Universidade Federal de Alagoas e Direito na Faculdade Sete de Setembro na Bahia. Tratamento destinado a mim? Despensa comentários. Sobrevivi. Mas as lembranças jamais serão apagadas.

A coisa foi tão sem pé nem cabeça que depois da prisão, SEQUER HOUVE PROCESSO. Minha ficha sempre permaneceu limpa, não é atoa que hoje sou Serventuário do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

E isso aconteceu por EU TER REJEITADO ME CORROMPER E ME RECUSADO A CORROBORAR COM AQUELA SUJEIRA QUE MATOU E ALEIJOU CENTENAS DE PRETOS E POBRES POR FALTA DE MÉDICO E REMÉDIO.

Aliás, os remédios eram QUEIMADOS NO LIXÃO pra não serem distribuídos para o povo, O REMÉDIO ERA SÓ PARA OS ELEITORES DO PREFEITO. O dinheiro dos canos pra levar água encanada para a Serra do Cavalo, desviado. O trator dos agricultores pobres? VOOU PARA O MARANHÃO.

ISSO FOI O QUE OS “HOMENS DE BEM” FIZERAM COMIGO QUANDO EU DECIDI MOSTRAR PRA SOCIEDADE QUEM É QUE ERA O LADRÃO.

Ele hoje está inelegível e com seus bens congelados. Eu? Bem... Trabalhando, estudando, tocando violão e escrevendo, e comendo pão com mortadela, como sempre...

Graciliano Tolentino

 
Graciliano Tolentino
Enviado por Graciliano Tolentino em 14/11/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr